As minhas “estórias” do meu bairro III


As minhas “estórias” do meu bairro III

A ideia de criar um conjunto de pequenas crónicas sobre a Penha de França surgiu depois de ter escrito o livro sobre esta que é a minha freguesia, um documento meramente objetivo e informativo. No entanto, a verdadeira inspiração partiu de um projeto da Biblioteca da Penha de França denominado “Vidas e memórias de bairro”.

Esta iniciativa, que surgiu em 2015, é dirigida aos idosos da freguesia e pretende “recuperar e divulgar histórias de vida, vivências, testemunhos, relatos e memórias importantes e relevantes que estes desejem partilhar e preservar”.

“Vidas e memórias de bairro” tem lugar todas as sextas-ferias à tarde, entre outubro e maio e parte de “sessões denominadas “oficinas comunitárias da memórias” durante as quais é trabalhado um determinado tema relacionado com o património material e/ou imaterial da freguesia”.

In

http://blx.cm-lisboa.pt/vidasmemoriasbairro

 

A minha escola primária

A minha escola primária, hoje conhecida como Arquitecto  Victor Palla, e já antes denominada de Nº143, era a do Vale Escuro. Estranho nome para uma escola primária, mas recebia-o do local onde estava instalada.

À volta, quase nada. Tão quase nada que, da minha sala de aulas, a nº2, via rebanhos de ovelhas a pastarem alegremente numa colina que atualmente acolhe diversos edifícios de habitação. E eram esses os melhores momentos extracurriculares dessa época. Viver e estudar no meio da capital e poder sair da sala de aulas e viajar pela vida daqueles animais, levá-los a viver aventuras como as dos desenhos animados do Vasco Granja. Tudo sem sair da minha carteira de madeira, de tampo inclinado e corroído pelo tempo e pelos lápis e canetas de estudantes anteriores.

Igualmente memoráveis eram os intervalos. Ou melhor, o intervalo, o único que existia e que se estendia pelo tempo – creio que era de 30 m – mas que parecia sempre muito pouco. Um daqueles muito pouco que dava para uma corrida de patins, vestir e despir as bonecas, jogar à apanhada, comer um lanche, aprender lavores, jogar à bola e esfolar os joelhos e as mãos. Vezes sem conta. Aliás, este era o resultado mais certo quando se punham dezenas de crianças a correr num pátio com chão de brita.

002 (2) - Copy

A professora Gabriela, que me parecia altíssima, era a minha mestra e também ela era residente no bairro, numa zona conhecida como Quinta dos Peixinhos. Quando a professora Gabriela faltava e não se conseguia avisar os alunos – não se esqueçam que me estou a reportar a uma época em que não existiam telemóveis e que muitas famílias não tinham sequer telefone em casa – ficávamos com a professora Lúcia, da sala 3.

E algumas vezes, raríssimas, tão raras que parecem mais fruto da imaginação do que memórias de factos concretos, não havia ninguém para tomar conta de nós e lá voltávamos para casa sozinhos. Um percurso pequeno para a maioria – quase todos os alunos residiam no bairro, uns mais à frente, outros mais atrás, mas ninguém tinha que fazer horas de autocarro e de metro para chegar a casa, como agora – mas que nos dava uma sensação de liberdade e de aventura semelhante à que teríamos ao viajar para um país estrangeiro. Pelo caminho acontecia tudo. Víamos nuvens cinzentas que aos nossos olhos eram roxas e indiciavam a iminência de uma qualquer catástrofe que nunca se verificava. Cruzávamo-nos com adultos que achávamos não serem de confiança e que não passavam de vizinhos mais distantes. Chupávamos azedas e sabia-nos a um amarelo doce. Mas quase nunca nos atrevíamos a atravessar a não semaforizada enorme General Roçadas. Dávamos voltas e voltas e mais voltas por caminhos e azinhagas para fugir ao trânsito.

1976, o ano em que entrei para a 1ª classe, foi igualmente o ano de estreia da Victor Palla como escola mista. Até ali, os meninos estudavam num andar e as meninas no outro. Como o fim da ditadura, as coisas mudaram. Felizmente. Não consigo conceber andar numa escola só de meninas. Parece-me coisa da Idade Média. Ou talvez pior do que isso.

AML, 1956 Armando Maia Serôdio PT/AMLSB/CMLSBAH/PCSP/004/SER/S00714

AML, 1956 Armando Maia Serôdio PT/AMLSB/CMLSBAH/PCSP/004/SER/S00714

Penha de França - Do Rio à Colina Sandra Terenas Edições Fénix

Penha de França – Do Rio à Colina Sandra Terenas Edições Fénix Com o apoio da Junta de Freguesia da Penha de França

“Penha de França Do Rio à Colina”, Sandra Terenas 

Edições Fénix

Com o apoio da Junta de Freguesia da Penha de França

Penha de França do Rio à Colina”, procura levar ao conhecimento dos cidadão o património cultural e a identidade própria da Freguesia da Penha de França. É este território, que inclui o Tejo e o ponto mais alto de Lisboa, o Miradouro da Penha de França, que constitui a fronteira entre o centro histórico e a zona oriental da capital.

À venda em todas as livrarias e online

Anúncios

As minhas “estórias” do meu bairro II


As minhas “estórias” do meu bairro II 

A ideia de criar um conjunto de pequenas crónicas sobre a Penha de França surgiu depois de ter escrito o livro sobre esta que é a minha freguesia, um documento meramente objetivo e informativo. No entanto, a verdadeira inspiração partiu de um projeto da Biblioteca da Penha de França denominado “Vidas e memórias de bairro”.

Esta iniciativa, que surgiu em 2015, é dirigida aos idosos da freguesia e pretende “recuperar e divulgar histórias de vida, vivências, testemunhos, relatos e memórias importantes e relevantes que estes desejem partilhar e preservar”.

“Vidas e memórias de bairro” tem lugar todas as sextas-ferias à tarde, entre outubro e maio e parte de “sessões denominadas “oficinas comunitárias da memórias” durante as quais é trabalhado um determinado tema relacionado com o património material e/ou imaterial da freguesia”.

In

http://blx.cm-lisboa.pt/vidasmemoriasbairro

 

Biblioteca Municipal da Penha de França

As idas à Biblioteca Municipal da Penha de França são, provavelmente, das mais simpáticas memórias da minha infância.
A Rua Cesário Verde, gigantesca aos meus olhos de criança, era a montanha a escalar no topo da qual estava aquele mundo enorme, quase infinito que cabia todo dentro de uma sala: a biblioteca.

Às portas daquele mundo estava um senhor que me intrigava. Ou melhor, a perna dele era um mistério. Mais tarde percebi tratar-se de uma malformação congénita mas naquela altura era muito estranho que ele coxeasse sempre. Mas aquela perna nunca ficaria boa? De cada vez que me aproximava da porta, naquele antigo palacete onde hoje se mantém apenas a sede da Junta de Freguesia, enchia-me de ansiedade: será que o senhor já não coxeia?
Lá dentro, naquela sala cheia de mesas e cadeiras e de gente muito compenetrada, envolvida num silêncio reconfortante, estava o mundo todo e mais além guardado em arquivadores de metal.

Abria uma gaveta, com todo o cuidado para que o barulho dos rolamentos não perturbasse o silêncio, desfilava os dedos por entre os cartões inscritos com nomes e códigos e perdia-me. Bom, se estivesse disponível um álbum do Astérix que ainda não me tivesse passado pelas mãos ou que precisasse urgentemente de reler – como era o caso de O Adivinho – não me perdia.

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Já se fosse um dia de aventura, corria uma e outra e outra gaveta até descobrir um título que me cativasse ou um nome que me soasse a alguém de confiança. Foi assim que descobri Alberto Morávia, entre outros. O nome inspirava-me confiança. Não me enganei.
Guardava os livros requisitados debaixo do braço, com a convicção de um pirata guardando o seu tesouro, e descia a Césario Verde, então já mais curta. A pressa de voltar a casa, ao meu castelo, e começar a devorar aqueles objetos mágicos encurtava a distância.

Tive pena de nunca me ter esquecido de devolver um livro. Seria uma bela recordação, aquele carimbo em cima das páginas amareladas, aquele cheiro tão próprio que só os livros de biblioteca têm. Mas nunca me esqueci de nenhum, até porque era preciso ir buscar outros e outros e outros até já não haver mais nenhum. Ai Almada, como tinhas razão.

Penha de França - Do Rio à Colina Sandra Terenas Edições Fénix

Penha de França – Do Rio à Colina Sandra Terenas Edições Fénix Com o apoio da Junta de Freguesia da Penha de França

“Penha de França Do Rio à Colina”, Sandra Terenas 

Edições Fénix

Com o apoio da Junta de Freguesia da Penha de França

Penha de França do Rio à Colina”, procura levar ao conhecimento dos cidadão o património cultural e a identidade própria da Freguesia da Penha de França. É este território, que inclui o Tejo e o ponto mais alto de Lisboa, o Miradouro da Penha de França, que constitui a fronteira entre o centro histórico e a zona oriental da capital.

À venda em todas as livrarias e online

 

100 anos de Carmen Miranda


 

100 anos de Carmen Miranda

http://www.averdade.com/2017/02/07/marco-de-canaveses-exposicao-de-homenagem-a-carmen-miranda-conta-com-29-trabalhos-de-alunos/

Google homenageia Carmen Miranda

Desenhado pelo artista Sophie Diao, o Doodle do Google faz homenagem a cantora e atriz luso-brasileira Carmen Miranda que hoje completaria 108 anos.

“Carmen Miranda é um raro exemplo de uma tripla ameaça: talentosa em agir, cantar e dançar. Nascida em Portugal e criada no Brasil, Miranda se apresentou às artes do espetáculo em tenra idade. O amor de seu pai pela ópera e o apoio de sua mãe levaram-na a prosseguir uma carreira no mundo do espetáculo. Inspirada por baianas, vendedores de frutas afro-brasileiros, Miranda vestiu um ‘chapéu de frutas’ ao ela se apresentar. Isso se tornaria sua assinatura à medida que sua estrela se elevava, primeiro no Brasil e depois, no mundo inteiro” publicou o Google.

“A grande momento de Miranda aconteceu depois de seu desempenho no Instituto Nacional de Música. Ela conseguiu uma audição em um estúdio de gravação onde ela foi imediatamente contratada para lançar um single. O primeiro álbum de Miranda foi lançado em 1929, e foi imensamente popular entre os brasileiros. Seu estilo de atuação ajudou o samba a ganhar respeito e um lugar no destaque brasileiro (e mais tarde, do mundo)”.

“Quando ela se mudou para os Estados Unidos em 1939, Miranda era uma estrela nacional no Brasil e tinha o poder de garantir que sua banda pudesse viajar com ela. O famoso Teatro Chinês de Garuman, em Hollywood, convidou-a a deixar suas impressões de mão no cimento em 1941, o primeiro latino-americano a fazê-lo”.

“Hoje, nós comemoramos Carmen Miranda e seu 108º aniversário”.

 

https://googlediscovery.com/2017/02/09/carmen-miranda-ganha-homenagem-do-google/

 

 

In English

http://www.imdb.com/name/nm0000544/

 

A zona de Sapadores


A zona de Sapadores

1-a22076quatro-caminhos

Rua dos Sapadores 1953-07 Foto Eduardo Portugal Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa

A Rua dos Sapadores (dividida administrativamente pelas freguesias da Penha de França e de Santa Engrácia) foi instituída a partir da antiga Rua do Abarracamento da Cruz dos Quatro Caminhos (mais tarde Rua dos Quatro Caminhos e dos Sapadores) pelo Edital de 8 de junho de 1889.

A Cruz dos Quatro Caminhos era, nos finais do século XIX, uma zona natural de confluência de quatro diferentes áreas, sendo que o bairro da Graça era a única claramente urbanizada. Por aqui se fazia o acesso à Penha de França e ao Poço dos Mouros.

5-a68327sapadores

Rua dos Sapadores 1969 Foto Artue Inácio Bastos – Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa

Já no século XX, esta zona contava com diversas habitações de traça simples e cércea baixa, pertencentes às classes sociais mais desfavorecidas, desenvolvendo-se junto à Rua Angelina Vidal. Do lado contrário, e à semelhança do que sucede atualmente, existia já um quartel, do então Regimento de Telegrafistas.

Saliente-se que a presença de um aquartelamento nesta zona remonta ao século XVIII, embora menos imponente e que seria a sede do Regimento de Engenharia.

Um ano após a implementação da República, aquando da reorganização do Exército, este quartel passou a albergar os Sapadores Mineiros, cuja presença deu origem ao nome da Rua. Após as Revoltas de 1927, o aquartelamento voltou a ficar entregue aos Telegrafistas. Atualmente, pertence ao seu “sucessor”, o Regimento de Transmissões.

2-a53876

Rua dos Sapadores (Quartel) Foto Arnaldo Madureira Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa

Com o desenvolvimento urbano das zonas em redor ao longo das primeiras décadas do século passado, nomeadamente, da Penha de França, as pequenas habitações foram sendo progressivamente substituídas por prédios menos caraterísticos. Para além dos edifícios habitacionais e do quartel, a zona de sapadores conta também com um mercado (na génesa estava uma tradicional “praça”) datado do início da década de 90 do século XX e concebido pelo arquiteto Souza Oliveira.

sapadores-620x415-lll

Mercado de Sapadores Arquivo de Souza Oliveira

Pepperkakebyen, A Cidade de Gengibre


Pepperkakebyen

A Cidade de Gengibre

A cidade norueguesa de Bergen é conhecida por diferentes fatores. No entanto, nesta altura do ano, a sua grande atração é aquela que os locais designam como a maior cidade de gengibre do mundo.

Jardins de infância, escolas, empresas e milhares de cidadãos contribuem para a sua construção todos os anos, uma tradição que teve início no Natal de 1991.

No entanto, a denominada como Pepperkakebyen (ou seja, “a vila do pão-de-espécie”), não é exemplo único na Noruega, podendo ser vistas iniciativas semelhantes em locais como Finnsnes, Stavanger, Hammerfest, Hamar e Bodø.

Mas a tradição de construir cidades de gengibre não tem origem na Noruega, onde atinge o seu expoente máximo. 

Na realidade, fazer casas de pão-de-espécie decoradas começou na Alemanha no início do século XIX. Segundo alguns investigadores, as primeiras casas de gengibre foram o resultado do famoso conto de fadas dos irmãos Grimm, “Hansel e Gretel”, no qual se relatam as aventuras de duas crianças abandonadas na floresta que encontraram uma casa comestível feita de pão com decoração de açúcar.

Após a publicação desta história infantil, os padeiros alemães começaram a cozinhar casas de conto de fadas ornamentadas de lebkuchen (pão de gengibre), tornando-se populares durante o Natal. Já segundo outros historiadores, a ideia já existiria e terá levado mesmo os irmãso Grimm a inspirarem-se para o conhecido contos.

Apesar de existirem diversas cidades deste género noutras partes da Europa e até nos Estado Unidos, a de Bergen ganhou fama internacional, sendo mesmo o motivo de atração turística nesta época do ano.

Reivindicada como sendo a maior do mundo, a Pepperkakebyen pode ser visitada no centro de Bergen, estando instalada na arena  Sentralbadet, uma antiga piscina pública.

In 

www.facebook.com/Pepperkakebyen/

www.visitbergen.com

www.visitnorway.com

Ilhas Féroe


Ilhas Féroe

As Ilhas Féroe fazem parte do meu imaginário há muitos anos.

A minha curiosidade foi atiçada na década de noventa do século passado, quando alguém com quem convivia socialmente relatou as suas aventuras no distante arquipélago. As duas semanas de férias do meu conhecido foram tão ricas antropologicamente que dariam uma série do National Geographic. Felizmente, ele é um viajante e não apenas um turista.

Uma outra razão de peso para a minha curiosidade a respeito das Ilhas? Apenas alguns entenderão. Antes de serem um território autónomo da Dinamarca, foram norueguesas ao longo de 8 séculos. Que fique registado: não fazia ideia até à alguns minutos atrás.

Portanto, e aproveitando que Portugal e as Ilhas Féroe jogam hoje , aqui ficam alguns dados sobre o arquipélago dinamarquês.

 

Línguas  oficiais:          feroês e dinamarquês

Unificada com a Noruega    1035

Cedida à Dinamarca    14 de Janeiro de 1814

Transformação em região autónoma    1 de Abril de 1948

Área  Total:        1399 km²

População em 2010 (estimativa):                   48917 hab.

Moeda:      coroa feroesa (DKK)

A título de curiosidade, refira-se que as Ilhas não têm nenhum McDonalds e, em 2014, existiam apenas 3 semáforos, todos na capital. De igual forma, o território não tem nenhuma cadeia: Os condenados a penas de maior duração são enviados para a Dinamarca.

Ilhas Féroe  (em feroês Føroyar ou Føroyarland, em dinamarquês Færøerne e em nórdico antigo Færeyjar) são um território dependente da Dinamarca, localizado no Atlântico Norte entre a Escócia e a Islândia.

O arquipélago é formado por 18 ilhas maiores e outras menores desabitadas que acolhem, ao todo, 47.000 pessoas em uma área de 1.499 km². Na ilha maior (Streymoy), encontra-se a capital, Tórshavn, com 16.000 habitantes (1999). As terras mais próximas são as ilhas mais setentrionais da Escócia (Reino Unido), que ficam a sul-sueste, e a Islândia, situada a noroeste.

São autónomas desde 1948, tendo decidido não aderir à União Europeia. Gradualmente têm alcançado maior autonomia e para o futuro tem-se descortinado a possibilidade de tornarem-se independentes da Dinamarca.

Como território autónomo da Dinamarca, as Ilhas contam com um Alto Comissário – representante da Rainha da Dinamarca, com um parlamento unicameral formado por 32 membros (Lagting) e com um primeiro-ministro chefe de governo.

Em dinamarquês atual, o nome das ilhas é Færøerne, e na língua local (feroês), Føroyar. O nome tradicional em português, “Féroe”, provém do nórdico antigo Færeyjar, que significa literalmente “ilhas das ovelhas” ou “ilhas dos carneiros”, e chegou à nossa língua proveniente do francês Féroé.

Credits: Stig Nygaard

Tórshavn, a capital, situada na Ilha Streymoy Credits: Stig Nygaard

HISTÓRIA

A história conhecida do arquipélago inicia em 600 d.c. com sua colonização por irlandeses. A primeira menção conhecida das Ilhas Féroe foi feita pelo monge irlandês Dicuil em 82

Segundo a Saga dos Feroeses (de cerca de 1200), o primeiro colonizador foi um viking chamado Grímur Kamban, que aportou às ilhas em data incerta, pelos finais do séc. IX.

600 – 800 d.c. – Estabelecimento de monges eremitas irlandeses

825 – Conquista e colonização por vikings noruegueses

970 – 1280 – República

1135 – Torna-se país tributário à Coroa Norueguesa

1380 – Dinamarca e Noruega (incluindo as ilhas Féroe) realizam uma união monárquica

1655 – 1709 – O Rei da Dinamarca confia as ilhas à família von Gabel como um estado feudal

1709 – A coroa dinamarquesa novamente toma posse

1720 – Administrada como parte da Islândia

1776 – Administrada como parte do condado dinamarquês de Sjælland (Sealand – Zelândia)

24 de janeiro de 1814 – Reconhecida como possessão dinamarquesa pelo Tratado de Kiel

1816 – Recebe o grau de condado

12 de abril de 1940 — 16 de Setembro de 1945 – Ocupação britânica durante a II Guerra Mundial

14 de setembro de 1946 – Referendo aprova a independência (48,7% a 47%). A independência é declarada em 18 de Setembro de 1946. É anulada pela Dinamarca dois dias depois.

30 de março de 1948 – Governo autónomo é permitido.

GEOGRAFIA

As Ilhas têm uma morfologia muito acidentada, rochosa, com costas alcantiladas recortadas por profundos fiordes. Nenhum ponto das ilhas está a mais de 5 km do mar. O ponto mais alto é o Slættaratindur, na ilha Eysturoy, com 882 metros de altitude.

O clima é oceânico, marcado pela influência moderadora da Corrente do Golfo, o que, tendo em conta a elevada latitude, suaviza as temperaturas invernais. Em Tórshavn não se registam temperaturas médias mensais negativas, oscilando estas entre os 0,3 °C em janeiro e os 11,1 °C em Agosto. A média anual é de 6,7 °C. A amplitude térmica é assim muito reduzida, com verões frescos e invernos suaves. A precipitação aproxima-se dos 1400 mm por ano, com um mínimo relativo na primavera e verão. O céu é em geral nublado, com frequentes nevoeiros. São frequentes os ventos fortes.

POPULAÇÃO E CULTURA

Grande maioria da população das Ilhas Féroe é de ascendência norueguesa e escocesa. Análises recentes de DNA revelaram que os cromossomos Y da população das ilhas, que traça a descendência masculina, são 87% escandinavos. Estudos mostram que o DNA mitocondrial, que traça a descendência feminina, é 84% escocês.

As Ilhas Féroe tem pessoas de 77 nacionalidades diferentes.

Os recursos naturais são escassos. A vegetação – gramíneas – dos morros é utilizada para a criação de ovelhas. Em algumas partes da ilha de Suðuroy, existem alguns depósitos de lignito, úteis como combustível.

No mar – nos peixes – é que está a grande riqueza da nação feroesa. A pesca é responsável por 96 a 98% das exportações realizadas e praticamente todo o comércio deriva dos produtos capturados no mar. Dentro do limite de 200 milhas marítimas são encontradas espécies como bacalhau, arinca, argentina-dourada, faneca da Noruega, alabote, tamboril, peixe vermelho, pechelim, salmão e arenque. A piscicultura de salmão e truta é um setor que tem crescido e contribuído para o crescimento da balança comercial

O aeroporto Vagar (EKVG) é o único na ilha. Foi construído na segunda guerra mundial pelos militares ingleses, mas hoje é um aeroporto civil. Perto do aeroporto, existem 7 heliportos.

A cultura das Ilhas Féroe tem suas raízes na cultura nórdica. As Ilhas estiveram isoladas, durante muito tempo, dos principais movimentos culturais que surgiram em diferentes partes da Europa, o que significa que a população local conseguiu manter uma grande parte de sua cultura tradicional.

Apesar de uma rica tradição oral ter sobrevivido, a língua não foi escrita durante 300 anos, significando isto que todos os poemas e histórias foram transmitidos oralmente.

O principal festival das Ilhas é o Ólavsøka, que é realizado no dia 29 de julho e homenageia São Olavo. As celebrações são realizadas em Tórshavn, com início na noite do dia 28 e até ao dia 31.

in https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ilhas_Feroe

Mais info http://denmark.dk/pt/sociedade/groenlandia-e-ilhas-faroe/

 

 

Foto Stig Nygaard from Copenhagen, Denmark