Iberian Masks Festival 2015


Iberian Masks Festival 2015

Festival Máscara Ibérica 20154

Iberian Masks Festival 2015 Festival Máscara Ibérica 2015

Iberian Masks Festival 2015
Festival Máscara Ibérica 2015

MORE AT

https://www.behance.net/gallery/26709317/Iberian-Traditional-Masks-Mascara-Ibrica-

https://www.behance.net/gallery/26709231/Iberian-Traditional-Masks-Mascara-Ibrica-

https://www.behance.net/gallery/26709089/Iberian-Traditional-Masks-Mascara-Ibrica

Pocket Shark


Pocket Shark

pocket-shark-illustration

tumblr_nnokpeG2PR1qkvbwso1_r1_500

“The description of the pocket shark genus Mollisquama (M. parini Dolganov, 1984) is based on a single known specimen collected from the Nazca Ridge of the southeast Pacific Ocean. A second Mollisquama specimen has been captured in the central Gulf of Mexico establishing a considerable range extension and a parturition locality because the specimen has a healed vitelline scar. Both the holotype of M. parini and the Gulf of Mexico specimen possess the remarkable pocket gland with its large slit-like external opening located just above the pectoral fin. Features found on the Gulf of Mexico specimen that were not noted in the description of M. parini include a series of ventral abdominal photophore agglomerations and a modified dermal denticle surrounded by a radiating arrangement of denticles just posterior to the mouth. Based on a morphometric and meristic comparison of the Gulf of Mexico specimen with information in the description of M. parini, the Gulf of Mexico specimen is identified as Mollisquama sp. due to differences in tooth morphology and vertebral counts. Phylogenetic analysis of NADH2 gene sequences places Mollisquama sister to Dalatias plus Isistius within the family Dalatiidae.”

in http://www.mapress.com/zootaxa/2015/f/zt03948p600.pdf

Other sources:

http://www.iucnredlist.org/details/44515/0

http://www.nmfs.noaa.gov/stories/2015/04/04_23_15pocketsharks.html

Sophia de Mello Breyner Andresen


b11

Sophia de Mello Breyner Andresen Panteão Nacional

A Mulher cuja morte fez chorar três gerações diferentes ao mesmo tempo no mesmo sítio pela mesma razão: a infância.

Sophia de Mello Breyner nasce a 6 de novembro 1919 no Porto, onde passa a infância.
Entre 1936 e 1939 estuda Filologia Clássica na Universidade de Lisboa. Publica os primeiros versos em 1940, nos Cadernos de Poesia.
Casada com Francisco Sousa Tavares, passa a viver em Lisboa. Tem cinco filhos. Participa ativamente na oposição ao Estado Novo e é eleita, depois do 25 de Abril, deputada à Assembleia Constituinte.
Autora de catorze livros de poesia, publicados entre 1944 e 1997, escreve também contos, histórias para crianças, artigos, ensaios e teatro. Traduz Eurípedes, Shakespeare, Claudel, Dante e, para o francês, alguns poetas portugueses.
Recebeu entre outros, o Prémio Camões 1999, o Prémio Poesia Max Jacob 2001 e o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana.

Foi a primeira vez que um português venceu este prestigiado galardão, que, para além do valor pecuniário de 42 070 euros, significa ainda a edição de uma antologia bilingue (português-castelhano), o que levará a autora a um vastíssimo público que cobre os países latino-americanos.
Com uma linguagem poética quase transparente e íntima, ao mesmo tempo ancorada nos antigos mitos clássicos, Sophia evoca nos seus versos os objetos, as coisas, os seres, os tempos, os mares, os dias. A sua obra, várias vezes premiada está traduzida em várias línguas.
Sophia de Mello Breyner Andresen faleceu a 2 de julho de 2004, em Lisboa, e o seu corpo foi trasladado para o Panteão Nacional precisamente a 2 de julho de 2014, 10 anos após o seu falecimento.

Porto Editora

http://www.portoeditora.pt/campanhas/sophia-de-mello-breyner-andresen