Solstício de Verão, Litha


Solstício de Verão

O solstício de Verão marca o início da estação estival no hemisfério Norte, bem como o dia em que o grego Eratóstenes, utilizando as sombras projectadas pelo Sol em dois locais do actual Egipto e diversos cálculos geométricos simples, determinou o raio da Terra com uma extrema precisão. A palavra solstício provém do latim solstitium, que significa “o Sol está parado”.

Trata-se do maior dia do ano e da noite mais pequena e é, segundo a tradição pagã, a época do festival de Litha.

Neste dia, o Deus Sol (o Pai, que representa o fogo) atinge o seu poder máximo antes de iniciar o caminho que vai levar à morte, enquanto a Deusa (a Mãe, que representa a água), grávida, se assemelha à terra verde e pronta para boas colheitas.

A altura do solstício de Verão é a época em que o indivíduo centra a sua atenção no mundo fora de si mesmo, em particular, na natureza e em todo o seu esplendor, uma fase que desperta uma atmosfera de paixão. Este ambiente deu origem às tradições das festas juninas associadas aos namoros e aos noivados

As festas de S. João, embora não coincidam com o solstício de Verão, mantêm algumas reminiscências das celebrações pagãs.

Nesta altura, diz-se que todas as plantas e todas as águas são sagradas e que é o momento para fazer rituais divinatórios: as sementes as plantas expostas ao orvalho podem indicar aos interessados o que eles procuram saber.

As propriedades do orvalho são, de facto, outro dos pontos a reter nesta época do ano: no Porto, são famosas as Orvalhadas, acreditando-se que o orvalho caído depois da meia-noite de S. João é bento e cura todas as enfermidades. O mesmo sucede com a água, que se colhida na meia-noite de S. João, livra de feitiços, um acto que está associado aos chamados banhos santos na madrugada deste dia.

A tradição das fogueiras, que ainda hoje se podem encontrar nas regiões do Porto e de Braga, é igualmente oriunda das religiões pré-cristãs.

As fogueiras evocam o poder simbólico do fogo, usado para afugentar os demónios que apareciam no solstício de Verão. Na tradição cristã diz-se que na noite de S. João os ares estão povoados por seres benéficos e maléficos, pelo que é necessário pô-los em fuga acendendo as fogueiras.

Já a tradição de saltar as fogueiras de S. João está associada a uma purificação do corpo pelo fogo. Se a fogueira for de rosmaninho ou de outras plantas balsâmicas, livrará de bruxedos, feitiçarias e outras maleitas.

Registe-se ainda uma outra tradição do Norte do País, as chamadas Vacas-de-Fogo da região do Sousa, que consiste numa caixa pirotécnica em forma de vaca, colocada nas costas de um homem que percorre a principal artéria das localidades, num acto de purificação.

 

Anúncios

Santo António na CNN


52 WEEKS, 52 THINGS TO DO IN 2013

June

Festa De Santo Antonio

When: June 13

Where: Lisbon, Portugal

The good thing about religious festivals in southern Europe is that they don’t tend to be all that pious.

This one, in Portugal’s capital, is held in honor of the city’s patron saint.

It attracts thousands of Catholics who believe in the saint’s miraculous healing powers. It also attracts thousands more non-Catholics who believe in the saint’s miraculous powers of giving the whole city an excuse to make merry with copious amounts of food and wine.

in http://travel.cnn.com/52-things-to-do-2013-769706

 

Alfama, Lisboa

Alfama, Lisboa

HISTÓRIA CASAMENTOS STO. ANTÓNIO

Santo António terá nascido em 1195, em Lisboa, tendo ingressado ainda muito jovem na Ordem dos Franciscanos. Era um pregador culto e apaixonado, conhecido pela sua devoção aos pobres e pela habilidade para converter heréticos.

Lecionou teologia em diversas universidades europeias e passou os seus últimos meses de vida em Pádua, Itália, onde viria a falecer, em 1231.

A Igreja Católica canonizou-o menos de um ano depois da sua morte, e em 1934 o Papa Pio XI proclamou-o segundo padroeiro de Portugal, a par de Nossa Senhora da Conceição.

Santo António é vulgarmente considerado como um santo casamenteiro, pois, segundo a lenda, era um excelente conciliador de casais.

É particularmente venerado na Cidade de Lisboa e o seu dia comemorativo, 13 de junho, é feriado municipal. Contudo, as festas em honra de Santo António começam logo no dia 12 com a realização dos Casamentos de Santo António, evento inserido nas Festas da Cidade.

No ano de 1997 a Câmara Municipal de Lisboa decidiu retomar os Casamentos de Santo António, adaptando e modernizando a iniciativa “Noivas de Santo António”, organizada pelo Diário Popular entre 1957 e 1974. Entre muitas outras adaptações, o evento passou a contemplar casamentos civis e religiosos.

in http://www.casamentosdesantoantonio.cm-lisboa.pt/?p=historia