Hermínia Silva – Heróis Populares Portugueses 20


Hermínia Silva – Heróis Populares Portugueses 20

 

Hermínia Silva, de seu nome completo Hermínia Silva Leite Guerreiro, nasceu no Hospital de S. José, em Lisboa, na freguesia do Socorro, no dia 23 de Outubro de 1907. Teve dois irmãos, Emília, a mais velha, e Artur, o mais novo. Quando tinha apenas oito meses, a família mudou–se para o bairro do Castelo.

Chegou a ser aprendiza de costureira numa alfaiataria na Rua dos Fanqueiros, em Lisboa, mas cedo começou a interessar-se por uma vida artística. Frequentadora da Sociedade de Recreio Leais Amigos, acaba por se inscrever no grupo como amadora na arte de representar, em 1925, tendo cantado os primeiros fados acompanhada ao piano.

Hermínia Silva estreou-se como amadora na Sociedade Recreativa Leais Amigos, em 1925. No ano seguinte, 1926, integra a Tournée Artística Gil Vicente, e percorre o país, passando por palcos de Vila Franca, Alenquer, Grândola, Alcácer do Sal, Santiago do Cacém, Sines, Odemira, Albufeira, Silves, Fuzeta, Lagos, Tavira e Vila Real de Santo António. Esta digressão passa ainda por Espanha.

A fadista sempre considerou o seu início de carreira a partir de 1926 quando fez parte da “Tournée Artística Gil Vicente” organizada pelo maestro A. Júlio Machado e pelo seu filho Victor Machado (que anos mais tarde escreveria o livro “Ídolos do Fado”).Desta “Tournée Artística Gil Vicente” faziam parte, para além de Hermínia Silva, os actores Maria de Vasconcelos, Berta Moreira, Agripino de Oliveira, Artur Cunha, João Amaral, Pais Condessa e Raquel de Sousa (mais tarde também cantadeira), tendo Hermínia Silva alcançado grande êxito como actriz e como fadista.

No ano seguinte, a 9 de Abril de 1927, Hermínia Silva será mãe de um rapaz a quem dá o nome de Mário Silva. Estabelece-se como cantadeira de fados, primeiro no cinema Malacaio, onde faz as suas interpretações no final da exibição dos filmes, e depois no Valente das Farturas no Parque Mayer.

Hermínia Silva aspira também a ser artista de teatro e começará por interpretar fados em três peças, na Esplanada Egípcia do Parque Mayer, no decorrer de 1929: “Ouro Sobre Azul”, “De Trás da Orelha” e “Off Side”.

Nos anos seguintes actuará como cantadeira na antiga Cervejaria Jansen, no Salão Artístico de Fados, no Solar da Alegria e no Café Luso. Reconhecida pela sua voz castiça, Hermínia Silva será convidada a integrar o elenco da opereta “Fonte Santa”, onde fará a sua estreia neste género, no ano de 1932, cantando alguns fados.

Participa já como actriz na peça seguinte em que participa, a revista “Feijão Frade”, em 1933, onde é segunda figura de cartaz logo a seguir à conceituada actriz Beatriz Costa.

A partir desta data sucedem-se as suas interpretações no teatro, onde Hermínia Silva demonstra os seus dotes inconfundíveis de fadista aliados a um notável estofo de actriz cómica, de tal forma que as suas criações são constantemente lembradas na crítica jornalística: “Alegra-nos e encanta-nos o vermos, quer no palco ou no tablado, esta agarotada vedeta do Fado cujos personagens interpretados, são notáveis pelo pitoresco que contêm. Os seus «travesti» desde o «faia de “Tendinha”» ao provinciano «reservista» têm sido dignos dos melhores elogios para a Crítica exigente.” (Cf. “Guitarra de Portugal”, 10 de Abril de 1939).

Nesta década de 1930, e mesmo na seguinte, Hermínia Silva é a grande intérprete do Fado no Teatro de Revista. É nos palcos dos teatros que estreia aqueles que serão os seus maiores sucessos, como a “Velha Tendinha” (na revista “Zé dos Pacatos”, em 1934), ou “Rosa Enjeitada” (na revista “Arre Burro!”, em 1936), ou “Mãos Sujas” (na revista “Chuva de Mulheres”, de 1937).

Com a interpretação da personagem Maria da Luz, a fadista apresenta-se pela primeira vez no grande ecrã com o filme “A Aldeia da Roupa Branca”, realizado por Chianca de Garcia em 1938. Hermínia Silva contracena com Beatriz Costa, Óscar de Lemos e José Amaro e interpreta os temas: “Fado da Fadista” e “Fado do retiro”.

Cinco anos depois, em 1943, voltará a desenvolver um papel para cinema, desta vez no filme “O Costa do Castelo”, realizado por Artur Duarte. Aqui, no papel da cantadeira Rosa Maria, canta: “Fado da Saudade” e “Fado Rosa Maria”, contracenando com António Silva, Milú e Maria Matos.

Hermínia Silva participa, também, nos filmes “Um Homem do Ribatejo”, de 1946, e na sua continuação, “Ribatejo”, de 1949, ambos realizados por Henrique de Campos. Na primeira película interpreta o “Fado da Sina” e na segunda o “Fado da Cigana”.

A fadista voltará a aparecer nas telas do cinema apenas mais uma vez, em 1969, no filme realizado por Constantino Esteves, “O Diabo Era Outro”. Protagonizada por António Calvário, a película integra duas cenas filmadas no Solar da Hermínia.

A sua relação com o Teatro de Revista será mais constante, sucedendo-se as produções em que participa, desde 1932, até 1958, altura em que opta por abrir a sua Casa de Fado. Assim, a título de exemplo, vejam-se algumas das peças em que integrou o elenco:

“Sempre em Pé” (Teatro Variedades, 1938); “Iscas com Elas” (Teatro Apolo, 1938); “O Banzé” (Teatro Maria Vitória, 1939); “Bailarico” (Teatro Variedades, 1940); “Boa vai ela!” (Teatro Maria Vitória, 1941); “Boa Nova” (Teatro Variedades, 1942); “Toma Lá Dá Cá” (Teatro Maria Vitória, 1943); “Rosa Cantadeira” (Teatro Apolo, 1944); “O Tiroliro” (Teatro Avenida, 1946); “’Tá Bem ou não ‘tá?” (Teatro Avenida, 1947); “Ai, Bate Bate” (Teatro Variedades, 1948); “Ora Agora Viras Tu” (Teatro Variedades, 1949); “Fogo de Vistas” (Teatro Maria Vitória, 1950); “Lisboa Antiga” (Teatro Apolo, 1953); “De bota abaixo” (Teatro Apolo, 1955); “Daqui fala o Zé” (Teatro ABC, 1956); “A Casa da Sorte” (Teatro ABC, 1957).

Em 1950 interpretará, também, duas peças declamadas, “História de uma Fadista” e “Sempre em Festa”.

No ano de 1949, Hermínia Silva casa com Manuel Guerreiro, mas como verificámos a sua carreira prossegue muito ligada ao teatro, actuando em diversas peças nos palcos do Teatro Maria Vitória, Variedades, Apolo, Politeama ou Avenida. Neste último Teatro Avenida é-lhe prestada uma homenagem em Dezembro de 1945.

A 13 de Maio de 1958 abre o Solar da Hermínia com o marido e pouco tempo depois, em Benavente, o Pôr-do-Sol, onde apresentava espectáculos de fado ao sábado à noite e ao domingo à tarde. Passa então a actuar essencialmente no seu espaço do Largo Trindade Coelho até ao seu encerramento a 23 de Outubro de1982, altura em a fadista cede o espaço ao poeta José Luís Gordo.

Para delírio dos seus admiradores voltará ao Teatro de Revista, mas apenas de forma esporádica, com as peças: “Ai Venham Vê-las”, em 1964; “Afinal como é?”, em 1975; e “Cada cor seu paladar”, em 1976, todas levadas à cena no Teatro ABC.

Hermínia Silva concentra a sua carreira nas actuações em Portugal. O seu conhecido e parodiado receio em andar de avião, inviabilizou-lhe muitos contratos. Na década de 1930 teve três convites para deslocar-se à Ilha da Madeira e ao Brasil, mas não aceitou.

A sua maior digressão realizou-se em 1952, com destino ao Brasil, para onde viajou no navio Vera Cruz para apresentar vários espectáculos e participar na revista “Há sinceridade nisso?”. Ao fim de sete meses não aceitou renovar o contrato por mais um ano porque sentia falta de Lisboa.

Em 1954 desloca-se aos Açores e à Madeira. Actua várias vezes para as comunidades emigrantes em França, a última das quais em 1981, e acta na América do Norte e no Canadá numa digressão realizada em 1971.

Em Portugal fez espectáculos no Porto, nos Teatros Sá da Bandeira, Carlos Alberto e Palácio de Cristal; bem como nos Teatros de Aveiro e Coimbra.

O percurso de grande sucesso e popularidade de Hermínia Silva manifesta-se na sua vasta discografia, infelizmente com poucas reedições em formato de CD. A faceta discográfica da sua carreira começa por estar ligada ao teatro, com edições em 78 rpm de alguns dos seus êxitos nos palcos da revista.

A fadista aprecia bastante trabalhar em televisão e quando a RTP surge, em 1957, Hermínia é já muito conceituada e a sua presença é imprescindível. Participou em vários programas e era uma presença constante no “Natal dos Hospitais” e na “Grande Noite do Fado”.

Possuidora de um improviso fácil e cheio de graça, algumas das suas frases popularizaram-na e tornaram-se emblemáticas, caso de : “Eh pá ‘tás à rasca”, “Anda Pacheco” (dirigindo-se ao guitarrista António Pacheco) e “Isso bem picadinho que é p’ra voz sobressair”.

Atribui-se, também, a Hermínia Silva a inovação de trautear os refrões ou entoar “trolarós” que entusiasmam o público, durante a parte instrumental que antecede os finais das músicas, ao invés de ficar em silêncio como a generalidade dos outros fadistas.

Em 1980 realizou um espectáculo no Teatro S. Luiz, onde lhe foi atribuída a medalha da cidade de Lisboa, actuação que foi gravada ao vivo e editada, posteriormente, em LP.

Em 1992 Nuno Forte realizou para a RTP um documentário sobre a fadista, recolhendo depoimentos de Hermínia Silva, familiares e amigos, bem como imagens de arquivo, o qual foi editado em DVD, em 2005, em conjunto com o programa “15 minutos com Hermínia Silva”, realizado por Jorge Alves, em 1961, e várias filmagens com interpretações dos seus maiores êxitos.

O seu filho Mário Silva teve uma filha, que deu à fadista dois netos, um rapaz e uma rapariga. Após o encerramento da sua Casa de Fado, Hermínia Silva viveu os últimos anos completamente retirada, na sua casa em Lisboa, aparecendo apenas em algumas entrevistas que a RTP lhe fez com vista a um documentário sobre a sua vida. Faleceu em 1993.

Prémios e Homenagens:

1946- Prémio Nacional do Teatro Ligeiro, pelo desempenho como actriz na revista “Sempre em Pé”;

1980- Medalha de ouro da cidade de Lisboa;

1985- Comenda da Ordem do Infante D. Henrique, atribuída a 10 de Junho pelo Presidente da República General Ramalho Eanes;

1990- Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, atribuída a 10 de Junho pelo Presidente da República Dr. Mário Soares;

1993- Atribuição do seu nome a uma Rua da freguesia da Ajuda, pela Câmara Municipal de Lisboa.

Marcos importantes na sua carreira

1920 Canta para Alfredo Marceneiro e para os amigos, entre os quais Armandinho, que adoravam ouvir a “miúda”.

1926 Começa a cantar no Valente das Farturas, no Parque Mayer. Alfredo Marceneiro canta ao lado, no Júlio das Farturas.

1929 Na Esplanada Egípcia, no Parque Mayer, interpreta Ouro Sobre Azul, De Trás da Orelha e Off-Side.

1932 Ainda no Parque, muda-se para o Teatro Maria Vitória, onde actua na opereta A Fonte Santa.

1933 Ingressa no Teatro Variedades, onde é segunda figura, logo a seguir a Beatriz Costa. Canta e representa em inúmeras revistas.

1958 Inaugura o Solar da Hermínia, no Bairro Alto, ao qual se dedicará de tal forma que deixa o teatro de revista. Estará à frente desta casa durante 25 anos.

1970 Faz uma digressão de 3 meses ao Brasil.

1982 Fecha o Solar da Hermínia, o ponto de referência da sua carreira e onde inúmeros artistas despontaram.

1987 Na discoteca Loucuras! dá um espectáculo memorável, na presença do então Presidente da República, Mário Soares.

Fonte : Museu do Fado

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s