Samhain, a noite mágica


Samhain (Halloween)

Samhain

O Dia das Bruxas (também conhecido pela sua denominação em inglês Halloween) tem origem em celebrações associadas a momentos marcantes da natureza e da agricultura datadas da Antiguidade. Refira-se que a designação de Dia das Bruxas apenas existe para os povos de língua (oficial) portuguesa.

As celebrações originais reportavam a uma festa pagã, o Samhain. Com o surgimento do cristianismo, a igreja procurou restringir estas celebrações, instituindo as cerimónias dedicadas à véspera e ao Dia de Todos os Santos, a 1 de Novembro. Inicialmente, a festa de Todos os Santos era celebrada no dia 13 de Maio.

Assim, a origem do Halloween remonta às tradições dos povos que habitavam a Gália e as ilhas da Grã-Bretanha entre 600 a.C. e 800 d.C., embora de forma bastante diferente das actuais abóboras ou da conhecida frase “gostosuras ou travessuras“, uma exportação norte-americana.

O festival de Samhain (o fim do Verão) fazia parte do calendário celta da Irlanda e era celebrado entre finais de Outubro e os primeiros dias de Novembro e marcava o final do período estival, bem como a última das colheitas.

Por esta altura de celebração, os celtas celebravam um conjunto de datas, entre as quais o culto aos mortos (a festa dos mortos), já que se acreditavam que os espíritos dos mortos voltavam nessa data para visitar seus antigos lares e guiar os seus familiares rumo ao outro mundo.

Durante esta festa, os sacerdotes actuavam como médiuns, procurando estabelecer uma ligação entre as pessoas e os seus antepassados que haviam deixado o mundo dos vivos e habitavam já um lugar que se acreditava ser de felicidade perfeita, sem fome nem dor.

Nesta noite o véu que separa o mundo material do mundo espiritual torna-  -se mais fino e facilitando o contacto com ancestrais torna-se mais fácil. Neste momento, o chamado Outro Mundo aproxima-se do nosso à medida que a luz do Sol baixa e o crepúsculo chega. As fogueiras são acesas para que os espíritos do outro mundo possam encontrar os caminhos para partirem ao Outro Mundo (ou País de Verão).

É comum realizar uma ceia em total silêncio e deixar um lugar à mesa destinado aos ancestrais, aos quais são servidos pratos como se eles fossem uma presença viva.

Para aqueles que não têm família, é tradição deixar alguns alimentos na porta de entrada, em homenagem aos amigos que já abandonaram este mundo.

De igual forma, é também tradicional deixar uma vela acesa na janela para ajudar a guiar os espíritos ao longo de sua caminhada ao nosso mundo.

Este é também o tempo do ano em que o frio aumenta e a morte vagueia pela Terra, enquanto o Sol enfraquece rapidamente, numa clara preparação para a chegada do Inverno.

Por esta altura, os antigos povos da Europa sacrificavam as suas cabeças de gado como forma de preservar a carne para o Inverno, já que os animais dificilmente poderiam sobreviver ao frio crescente. Apenas um pequeno número de animais era mantido para o ano seguinte.

No Samhain, o Deus morre, (tornando-se no Senhor da Morte e das Sombras) mas sua alma vive na criança não-nascida, a centelha de vida no ventre da Deusa, um simbolismo para a morte das plantas e a hibernação dos animais

Entre algumas das tradições mais conhecidas do Samhain está o famoso Jack O’Lantern, que deu origem às actuais abóboras.

Originalmente, as pessoas usavam abóboras esculpidas como máscaras, sendo que as sombras por elas provocadas afastavam os maus espíritos e todos os seres do outro mundo que vinham para perturbar. Estas máscaras eram também colocadas nas janelas e nas portas de entrada com o objectivo de proteger toda a casa.

Da mesma forma, também o costume norte-americano de mascarar as crianças e deixá-las correr de casa pedindo gostosuras ou oferecendo travessuras tem origem celta. Na Antiguidade, eram os adultos quem passava de casa em casa, entoando cânticos, sendo presenteados com agrados pelos seus habitantes.

Associação com as bruxas

A relação da comemoração desta data com as bruxas terá começado na Idade Média como consequência das perseguições encetadas por líderes políticos e religiosos aos que eram pagãos. Designados por bruxos ou bruxas, com um carregado sentido pejorativo, eram julgados pelo tribunal do Santo Ofício e, na maioria das vezes, queimados na fogueira nos designados autos-de-fé.

Em Portugal

A celebração do Halloween em Portugal, na sua forma norte-americana, é recente. Contudo, existem no País algumas tradições associadas a esta noite, como é o caso do conhecido Pão por Deus, em que as crianças iam de casa em casa pedindo o “Pão por Deus” e recebendo em troca não apenas pães mas também doces regionais que eram confeccionados propositadamente para o momento.

Em Cidões, na região de Vinhais, em Trás-osMontes, é habitual celebrar-se também a Festa da Cabra e do Canhoto, uma ocasião em se esconjuram os demónios comendo, literalmente, a mais tradicional representação do Diabo: a cabra. O animal é cozinhado em grandes potes, sobre o fogo intenso do canhoto (tronco).

Depois do repasto, os mancebos viram a “aldeia do avesso”, roubando vasos de flores das varandas e voltam carros de bois e carroças, nos quais se deslocam pela localidade, de forma a que o chiar das rodas impeça a população de dormir.

 

One thought on “Samhain, a noite mágica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s