Ostara, Equinócio da Primavera/Ostara, Spring Equinox


Ostara, Equinócio da Primavera

Este é o tempo da rainha das Fadas”

“Agora, atiro para trás de mim a escuridão do Inverno e o passado. Olho tão-somente para o que está à minha frente.”

“Despertai! Todas as criaturas do reino da Terra, despertai!”

Este é o momento em que a Terra é iluminada pelo Sol de igual forma nos seus dois hemisférios. É a festa da comunhão com a Natureza, a época em        que o Sol se abraça a si próprio e a luz e a escuridão encontram o equilíbrio.

Depois do repouso, a Natureza acorda revigorada e determinada a criar e a regenerar, quase como se se tratasse de uma vitória da vida sobre a morte.

A Primavera tem uma estreita relação com a época da Páscoa: a denominação inglesa de Páscoa, Easter, provém de Ostara, a deusa germânica da Lua e da Aurora que anuncia o regresso triunfal da vida à Terra. Ostara (ou Eostre) deu também origem à palavra que designa a hormona feminina, esterogéneo.


De acordo com os diferentes mitos que se reportam a esta fase do ano, é nesta altura que o Deus e a Deusa geram a Criança, o Deus Sol, que nascerá nove meses mais tarde, conduzindo às celebrações de Imbolc (Solstício de Inverno). Este mito seria adaptado pelos cristãos para datar o Natal no mesmo período do ano.

Refira-se ainda que o cristianismo aproveitou também as raízes mais antigas do Equinócio da Primavera para criar o Dia da Anunciação (25 de Março), quando o anjo Gabriel revela a Maria a sua gravidez imaculada.

O Equinócio em Portugal

Na zona de Foz Côa, mais concretamente, na Freguesia de Chãs, situa-se um dos locais mais associados às celebrações do Equinócio de Primavera em Portugal, o Santuário Rupestre da Pedra da Cabeleira de Nossa Senhora, no maciço dos Tambores.

Este templo, orientado no sentido nascente-poente, é constituído por uma gruta em forma de semi-arco, cujo eixo é iluminado no momento em que o Sol se ergue no horizonte, e por um penedo de grandes proporções. Este penedo, situado num planalto rochoso, conta com, no interior da cripta que o atravessa, uma pintura que deu origem ao seu nome actual, já que lembra uma cabeleira negra. Na outra face da gravura, é visível um pequeno círculo solar.


De acordo com alguns investigadores, este templo remontará à transição entre o paleolítico e o neolítico e a sua forma sugere que terá sido dedicado ao culto do crânio, associado à prática de sacrifícios. Por outro lado, o facto de ter sido consagrado à Virgem Maria, fruto da chegada do cristianismo e de algumas lendas da região, sugere ainda terá sido um local de culto a Deusa-Mãe.

Perto do Santuário da Pedra da Cabeleira fica a Pedra do Solstício, erguida numa depressão rochosa, sobranceira à falha sísmica de Longroiva, dedicada às celebrações do Solstício de Verão.

 

Ostara, Spring Equinox


“This is the time of Queen of the Fairies”
“Now, I throw back  the darkness of Winter and the past. I merely look at what’s ahead of me. “
“Awake! All creatures from the realm of Earth, awake! “

 

This is the moment when the the Sun illuminates in the same way both of the Earth hemispheres. It is the feast of communion with Nature, the time when the Sun  embraces itself, when the light and dark  find balance.
After resting, Nature wakes up refreshed and determined to create and regenerate, almost as if it were a victory of life over death.

Spring has a close relationship with  the Easter season: the English word Easter comes from Ostara, the Germanic goddess of the Moon and the Aurora that announces the triumphal return of life to Earth. Ostara (or Eostre) also originated the word estrogen, the female hormone .

According to various myths  related to this season of the year, this is the time when the God and the Goddess generate the Child, the Sun God, who will be born nine months later, leading to celebrations of Imbolc (Winter Solstice). This myth was adapted by Christians to date Christmas at the same period late in the year.

Christianity also took the oldest roots of the Spring Equinox to create the Day of the Annunciation (March 25) when the angel Gabriel revealed to the Virgin Mary her immaculate  pregnancy.

The Equinox in Portugal

 

Near Foz Côa, more specifically in the village of Chãs, lies one of the places most associated with the celebrations of the Spring Equinox in Portugal, the Santuário Rupestre da Pedra da Cabeleira de Nossa Senhora (Rock Sanctuary of Our Lady’s Hair) in the rock mass of Tambores (Drums).

 

This temple, oriented towards east-west, consists of a cave in the form of semi-arc, whose axis is illuminated when the Sun rises on the horizon, and of a boulder of massive proportions. This rock, located in a rocky plateau, has, within the crypt that crosses it, a painting that gave rise to its current denomination, since it resembles a black mane. On the other side of the picture, we see a small  circle of  the sun.


According to some researchers, this temple dates back to the transition between the Palaeolithic and Neolithic and its form suggests it has been dedicated to the cult of the skull associated with the practice of sacrifice. The the fact that it was consecrated to the Virgin Mary results of the arrival of Christianity and some of the regional legends, suggests that it has been a place of worship to the Mother Goddess.

 

Near the Sanctuary  lies the Solstice Stone, dedicated to the celebration of summer solstice and built on a rocky hollow, overlooking the seismic fault of Longroiva.

 

 

About these ads

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s